30 agosto 2006
posted by Paulo Vivan at 3:05 PM

- Ah, não! Você de novo, não!
- Oi. Voltei mesmo.
- O que você quer hoje?
- Eu tenho uma consulta marcada.
- Claro, você sempre tem uma consulta marcada.
- Tá aí, olha aí. Felipe, 17 horas, com a Doutora Ana.
- Certo, certo. Senta aí e espera.
- E não fala assim comigo, não!
- Felipe, você marca consulta toda semana, pra nada! Nada!
- Olha, é meu direito. Eu tenho plano de saúde e tenho espinhas.
- Esquece.

UM TEMPO DEPOIS...
- Felipe! A doutora já vai te atender.
- Demorou.

FELIPE ENTRA NA SALA DA MÉDICA
- Ah, não. Você de novo!
- Sim, eu. Eu tenho um problema e...
- Ah, jura? Eu imaginava que as pessoas iam ao médico pra bater papo.
- Me escuta por um momento? Eu tenho uma espinha aqui - Felipe Aponta cotovelo.
- Deixa eu ver... Isso não é espinha.
- Como não?!
- É um machucado. Você deve ter caído.
- Mas, e se fosse espinha.
- Tá, você quer que eu esprema seu cotovelo machucado?
- Não! Vai doer! Você tá louca?
- O que você quer então.
- Um atestado.
- Atestado de que, Felipe?!
- Não sei. Do que você tem?
- Pra você, nenhum.
- Tá bom, eu vou embora.
- Isso, por favor, faça essa gentileza!
- Mas, eu marco o retorno com a recepcionista, né?
 
29 agosto 2006
posted by Paulo Vivan at 1:52 PM

Um homem entra numa tenda esotérica, para ter sua mão lida.
- Olá.
- Sente-se por favor - diz a mulher, com um turbante na cabeça, brincos grandes e batom vermelho.
- Esquerda ou direita?
- Esquerda. Perto do coração.
- Aqui está.
- Hum.
- Hum, o que?
- Está suja sua mão. Não consigo ler.
- Mentira. Sente só o cheirinho de sabonete. - Homem coloca a mão na cara da mulher.
- É, aloe vera. Tem razão. Olha, vou abrir o jogo. Sou uma farsa, não sei ler mão. Acordei de mau humor e estou sem imaginação. Pode sair sem pagar.
- Mas... Você não pode fingir?
- Fingir?
- É, sei lá, me diz que eu vou ganhar uma grana.
- Ganhar eu não sei, mas você vai economizar. Não precisa pagar, eu já disse.
- Sabe o que é, to com uma garota lá fora. Fala que eu vou ficar rico, vai.
- E por que isso?
- Ricos comem mais mulheres. Isso é fato.
- É verdade.
- E então?
- Tá, você vai ficar rico, satisfeito?
- Legal! Mais uma coisa.
- Fala logo.
- Você tem uma camisinha aí?
 
posted by Paulo Vivan at 1:47 PM

Novo layout. Blábláblá.

Agora os que usam Firefox não tem mais do que reclamar, apesar de viverem reclamando. Malditos Hippies.

Os comentários do Haloscan também se foram. Logo, espero que quem comentou, faça uma pesquisa retroativa e coloque todos de volta.

Obrigado.
(MORRE)

UPDATE!! -> O sistema do Haloscan voltou. Os comentários do Blogger foram eliminados pelo motivo de serem uma merda maior que o Haloscan. Eu juro.
(MORRE PELA SEGUNDA VEZ E VIRA MESSIAS)
 
24 agosto 2006
posted by Paulo Vivan at 2:52 PM

AGORA FODEU

Segundo uma recente reunião de astrônomos, Plutão não é mais um planeta. Então, se a minha lua está em Plutão hoje, o meu horóscopo ainda é válido ou preciso de mais correção? O que se segue agora é suicídio em massa de astrólogos.

Outras alterações seriam válidas e também muito bem-vindas. Chiuaua não é mais cachorro. Motoboy não é mais ser humano. Comida vegetariana não é mais comida. Paris Hilton não é mais atriz/cantora/celebridade.

Vamos fazer uma reunião e fechar negócio? Por favor, diga que sim!
 
18 agosto 2006
posted by Paulo Vivan at 3:06 PM

DE UMA VEZ SÓ

Hoje me veio a idéia: como sairia um texto meu se eu não pudesse voltar atrás? Ou seja, se eu escrevesse de uma vez só, sem poder mudar nada, a não ser os erros ortográficos? Claro, que seria uma maneira ótima de viver. Atropelamento e fuga, dá no mesmo, mas com o melhor português do mundo.

Não vejo a hora de chegar no fim deste texto. Sério. Vou me sentir bem melhor. Vou colocar um grande "FIM" e vou dar uma voltinha pelos banheiros daqui do trabalho vendo se todo mundo deu a descarga. Será que grandes escritores colocam um grande "FIM" no final de suas obras? Acho que não. É meio burro colocar um fim na sua obra. Se alguém reclamar do conteúdo e não tiver "FIM" você pode dizer "mas eu ainda não acabei".

O melhor de olhar pra trás e ver uma merda que você escreveu, uma que não dá pra apagar é que você acaba se comparando aquelas velhas ou homens sem noção que compram um cachorro na feira de filhotes. Pense, feira de filhotes é um lugar que você vai só pra mexer nos filhotes. Não pra comprar. Ai você leva o filhote cheio de moléstias para casa e ele, com sua diarréia comprovada, lambuza o seu sofá. Se ele não morrer, vai crescer achando que é legal fazer o que bem entender em cada comodo da casa, o vilão eterno nos seus olhos, afinal, quando era pequeno era bonitinho demais para apanhar. E quando você xingar e esbravejar contra o cão, ele vai simplesmente olhar para você e fazer algo que você nunca fará: lamberá as próprias genitais. Sim, tem gente que faz auto-sexo-oral, mas duvido que voltem a andar depois disso.

E mais um parágrafo passou e mais uma merda de texto. Pelo menos eu falei de merda, olhe só. Escatologia é a salvação em tempos de crise.

FIM