06 janeiro 2005
posted by Paulo Vivan at 1:51 AM

PODER E RESPONSABILIDADE

Um picolé de limão custa dois reais. Sim, a padaria é careira, mas me poupa o trabalho de andar três quarteirões (um deles uma subida de aproximadamente 20 graus) até a padaria feia e barata. Seguramente o trajeto tiraria todo o prazer de um picolé, ainda mais no calor que estava. E a padaria cara tem uma bela sequencia de geladeiras com porta de vidro que dá gosto de ver. Coisa fina. Então, era mais ou menos uma escolha óbvia. Ah, e não tem pedintes. Mesmo porque, na padaria cara, nenhum preço é quebrado, eliminando assim o uso de moedas e eliminando assim os pedintes. Coisa fina mesmo.
Não que eu fosse dar uma moeda pra qualquer pedinte. Eles tem mesmo é que me comover. Botar um bom show. Nada de malabarismos com bolinhas, eu odeio circo. Se chorar, chore direito, faça cara de alguma vítima de guerra, dê alguma referência histórica - tipo Vietnam ou até mesmo da morte do Senna. Não é que eu seja cruel, mas, convenhamos, é um serviço a ser prestado. Ou pelo menos me dá um susto. Faça o meu coração trabalhar.
Já na fila do caixa, esperando que o calor da minha mão não derreta o picolé de limão mais do que a temperatura ambiente, eu vejo uma caixinha na parede da padaria:
"Ajude as vítimas da Tsumani. Dois reais podem fazer a diferença"
Fiquei puto com o erro da pessoa que escrever. O certo é Tsunami, não Tsumani. Só isso seria suficiente para eu ignorar completamente a caixinha, mas, maldito seja quem colocou aquela foto lá. Não deve ter sido o mesmo ignorante que escreveu "Tsumani", isso eu te garanto. O cara sabia o que estava fazendo. Frio e calculista.
Uma menininha molhada, chorando, segurando um bicho de pelúcia sem cabeça. Diabos, não era nem um pouco parecida com qualquer uma das pessoas que moram nas regiões atingidas, mas, diabos, que menininha fofa. E a parábola do urso sem cabeça me atingiu como uma cotovelada no rim. Não entedi direito, mas, alguma coisa mexeu comigo. Com meu coração. Diabos.
A fila andou e eu encarei o dilema. Ajudar as vítimas da Tsunami ou tomar um sorvete de limão? Bem, eu digo pra vocês, estava um calor filho da puta. Fodam-se as crianças com ursos sem cabeça. Se o palito for premiado eu dôo pra elas.