22 outubro 2004
posted by Paulo Vivan at 2:20 PM

ARTE

Como definir arte uma vez que tudo pode ser arte? Eu posso pegar um papel em branco, escrever um "X" grande nele e é arte. Quem me diz que não? Bem, isso é facilmente comprovado.

Arte é tudo que as pessoas não querem ver.
Ópera. Ninguém quer ver - é arte.
Televisão. Todo mundo vê. Não é arte.
Poesia... Ninguém lê. Arte.
Romaces baratos. Vendem feito água. Não é arte.
Museus e similares. Não lotam nem se pagarem pras pessoas. Arte pura.
Show de rock, pagode e sertanejo. Lotam mesmo se cobrarem o dobro. Não é arte.

Claro, como toda teoria temos um pequena divergência. Os filmes. Temos os filmes de arte e os filmes "não de arte". Mesmo assim o cinema é considerado a sétima arte. Vejam só, um filme iraniano chato pra cacete pode ser chamado de arte. Mas, aquele bom e velho Schwarzenegger não é arte, mesmo que faça 1 bilhão de dólares na bilheteria. Agora é que chegamos no ponto crucial. Onde se encaixam os filmes da Madonna? Ninguém foi ver. Continuam fazendo. É arte?

Enfim, reconhecidas as obras, passe para o reconhecimento do artista. Hoje em dia é muito simples reconhecer alguém do meio artístico. Eles estão sempre pelados. Eu, por exemplo, estou pelado enquanto escrevo esse texto. Eu sei que a visão de um homem pelado em frente ao computador pode levar a diferentes conclusões envolvendo pornografia digital. Mas acreditem, ficar pelado é a expressão máxima do artista. Ficar pelado e citar outros artistas de que niguém nunca ouviu falar. Sou um sucesso relativo.
 
15 outubro 2004
posted by Paulo Vivan at 5:32 PM

A BARATA DO TEMPO

Se uma barata cehgar perto de você enquanto toma banho,. você provavelmente está a caminho de um longo sonho alucinante que parecerá extremamente real até quase no final, quando uma segunda barata chega perto e te tira deste sonho. Sim, isso acontece para dois propósitos.
1- Refletir sobre sua atual situação.
2- Reexaminar o seu futuro próximo.

A Barata do Sonho chega pra te mostrar como as coisas podem e irão ficar para você. Você não saberá que está num sonho até a chegada da Barata da Vitória. Esta, sim, lhe mostrará qual é a sua verdadeira realidade. Não cabe às baratas mostrar-lhe o caminho que você deve serguir, mas sim o caminho que você já está seguindo.
Por exemplo:
Cantina italiana. Você resolveu sair com aquela menina carente que trabalha no setor de informática da sua empresa. Ela sempre te dá um olhar duvidoso - você não sabe se ela está te secando ou se não enxerga mesmo. Você vai em frente e leva ela pra jantar. Suas intenções são as piores. Chega a Barata do Sonho sem que você perceba. Você se vê comendo pouco para se contorcer com a menina depois dentro do carro. Leva a menina pra um drive-in, faz sexo e nas semanas seguintes, quando tem um problema com seu computador, ou ignora ou pede pra outra pessoa vir arrumar. Meses depois, aquela menina carente que trabalhava no help desk tem que tirar licença maternidade e você agora tem que pagar pensão com seu salário horrível. E a criança, depois dos primeiros 2 anos, revela-se deficiente. Agora você está preso ao seu trabalho. Não consegue terminar a faculdade. E a Barata da Vitória chega e te tira do sonho.
Pronto. Agora você que já está num encontro com a garota tem algumas opções à sua frente.
- Comer até vomitar.
- Vomitar, sem comer.
- Comer moderadamente, levar a menina pra casa.
- Comer moderadamente, ficar com a menina e nunca mais.
- Comer moderadamente e falar que outro cara do seu departamento está a fim dela.

Mas, atenção: nunca mate uma das baratas do tempo. Isso desencadearia a ira da Barata da Perdição e... Bem, o nome é auto-explicativo.

Junte seus amigos e discuta o paradoxo do continuum das Baratas do Tempo neste final de semana.
 
05 outubro 2004
posted by Paulo Vivan at 4:25 PM

SE FILME FEDESSE...

Pois é, só depois de assistir uma MERDA como Alien vs Predador que eu tomo vergonha na cara e atualizo o Róliudi.

Então vai lá, sofrer comigo. Só não assista o filme.
 
01 outubro 2004
posted by Paulo Vivan at 1:23 AM

NOVA PROGRAMAÇÃO

Sinalizando que os portais do inferno estão totalmente abertos, a grande maioria dos programas da tv por assinatura são reality shows. E pra piorar, quase todos femininos ou homossexuais. O simples pensamento já faz tropas de homens correrem para seus abrigos anti bug do milênio (construiu, tem que usar!). Eu decidi não correr e assistir um pouco dessa programação nefasta e assim entrar em contato com meu lado feminino. E após alguns programas, meus cromossomos X disseram que, na verdade, esses programas não são tão ruins.

E como isso é possível você me pergunta? Bem, antes que você suspenda minha carteirinha do sindicato heterossexual e me lançar num poço escuro e úmido, deixe-me explicar.

Não assisti nenhuma daquelas janelas para o inferno como Sex and the City – que eu ainda preciso achar uma desculpa para usar o título Sex and the Sífilis – e Will and Grace. Aliás, esse último é incompreensível. É tão sem graça como passar um esmeril no sovaco. Pensando bem, passar um esmeril no sovaco deve ser mais engraçado. De qualquer maneira, não fosse o programa sobre gays, acho que as pessoas teriam coragem de apedrejar publicamente o elenco e os criadores. Mas é legal ser gay e feminista hoje em dia. O que nos leva aos nossos novos programas.

Comecei por um que era sobre encontro às escuras. Gay, claro. Não sei se o programa é sempre assim, mas nesse dia era. Então, Sr Homem Gay 1 conhecerá Sr Homem Gay 2, e pasmem! Não farão sexo de imediato! Eu particularmente fiquei muito decepcionado ao perceber que homens gays procuram um relacionamento. Afinal, eles devem estar em contato extremo com seu lado feminino, impedindo assim ações mais diretas. Pô, rapazes! Sejam homens! Cheguem na cara e digam “Olha, eu sou gay e gosto de transar com homens. Você é gay e gosta de transar com homens. Quel tal a gente economizar tempo e dinheiro e ir pra cama de uma vez?”. Decepcionante, realmente.

Mas, até aí, você já deve ter visto vários programas de encontros. Acredite, um programa como esse já teria atenção o suficiente somente pelo fato dos protagonistas serem homossexuais. Pergunte pros editores se eles acham o mesmo. Eles lhe dirão que raios saindo dos olhos do protagonista enquanto ele olha para a virilha do outro é perfeitamente normal. Ou balões de pensamento com as frases mais constrangedoras da face da terra são divertidos. “Hum, adoro quejio” e “Que cara mais engraçado”, pra exemplificar. Certo, já não basta os dois rapazes não chegarem propondo sexo na hora, mas me dizer que algo além de “Eu quero te comer!” passa na cabeça de um homem, homo ou hetero, é mentira. Especialmente num encontro.

Enfim, não tive saco pra aguentar o programa depois do primeiro intervalo, mesmo quando a apresentadora prometeu que algo interessante aconteceria. Fui parar num programa de troca de esposas. Sim, uma esposa troca de lugar com outra por algumas semanas. Esse programa é genial! As esposas mostradas nesse programa justificam qualquer caso em que o marido esfaqueia a mulher com mais de 30 facadas. Deveria ser usado como prova em qualquer tribunal. É inacreditável ver algumas dessas mulheres. Isso só comprova que a bebida ou um cachorro feroz são os melhores amigos de um homem casado com uma mulher-demônio dessas. Depois de assisitir esse programa, fiquei nervoso e voltei pro encontro às escuras.

Versão lésbica agora. Duas mulheres feias mesmo! O que comprova a velha charada: quem pega a maleta cheia de dinheiro antes: A lésbica gostosa, a lésbica feia, Papai Noel ou coelhinho da páscoa? A lésbica feia – todos os outros são frutos da sua imaginação. Eu sei, eu sei, existem lésbicas bonitas, você já viu num filme pornô. Mas não era o caso aqui. Enfim, as duas foram parar num videokê – o que é mau sinal, mesmo se você gostar de transar com melancias. E no final, sabe o que aconteceu? A apresentadora me prometeu que aconteceria algo legal. E realmente aconteceu. Eu desliguei a tv.