31 janeiro 2003
posted by Paulo Vivan at 1:10 PM

- Papai, papai, ganhei um peixinho na feira de animais.
- Que legal filho. Põe no aquário, que está no meu quarto. Mas não esquece de alimentar ele!
- Tá bom, papai. Vou cuidar bem dele. Vou chamar ele de Jonas.

E então o pequeno animal começa a crescer, graças aos cuidados de Papai e Filho. Os problemas só começam a surgir depois de algumas semanas.
- Prrr-cat-tac. Put-put-put-prec-prec-prec... Iiiiiiiiiiirrrr-tctctctc...
- Cacete - acorda o papai assustado - que barulho infernal é esse!
- Tac-tac-tac-tac... prrrrrrrrrrrrr-uuuuuuuuiiiiiiiiiiii...
- Caralho, essa porra é um golfinho! Que barulho, cacete... Você vai pra privada, Flipper! Feira de animais do caralho, não dão nem mais peixe que morre em dois dias, só essas porras que fazem barulho. Tchau, Flipper!!!

E Jonas vai descendo em espiral pela tubulação de esgoto do prédio localizado na zona sul de São Paulo.
Dias, meses se passam. Jonas cresce em proporções anormais devido aos dejetos e produtos químicos do esgoto da cidade de São Paulo. E começa a temporada das chuvas. A cidade debaixo d'água.
De repente, em frente ao escadão da Gazeta, na Av. Paulista (claro) os estudantes ouvem um barulho:
- Prrr-tac-tac. Rrrriuuuuuuuuuuu... tec-tec-tec-tec-xxxxiiiiic-xxxxiiiic...
- Deus do céu, o que é isso?

O asfalto começa a rachar e um golfinho gigante levanta sua cabeça e começa a nadar de costas, quebrando o asfalto. Jonas estava do tamanho de três ônibus. Um grupo de meninas, dentro de uma lotação fica encantada.
- Oh, que lindo! O Flipper!!
Mas, ao ouvir a palavra que prenunciou sua desgraça, Jonas se enfurece e começar a engolir lotações não licenciadas pela prefeitura e motoboys. Ninguém impede o bicho.
 
posted by Paulo Vivan at 12:41 PM

Não tenho ideologia política. Pra mim, política é apenas uma maneira de convencer o outro que sofrer é bom, e o sacríficio pessoal é necessário para ajudar a obtenção de um bem maior. É quase religião.
Tudo começa na infância. Imagine Paulinho Maluf convencendo os amiguinho que o sanduíche das lancheiras deles ficaria muito melhor comdicionado na mochilinha Maluf, e é claro, com uma taxa de juros de apenas uma mordida de cada. Depois ele vira representante de classe, convence a professora a não fazer prova pois tem muitas tarefas como representante. Que coleguinha supimpa! E ainda era amiguinho querido de todos.
Uma vez eu tive uma palestra sobre sexo no colégio. Adivinha quem deu a palestra? Marta Suplicy. Como eu e meus amigos dizíamos: a puta da Marta. Por que puta?? Imagina uma mulher de 30 e tralalá anos (na época) falar de sexo com um monte de moleque de 11 anos. Puta. E virou política. Políticos se prostituem. Puta.
Nessas eleições, todo mundo ficou com vontade de votar no PT. Não vou negar que eu também. Mas, dois dias antes de votar, na Vila Madalena, teve uma passeata do PT com Genuíno, Suplicy o cacete... Passavam de bar em bar, e de mesa em mesa cumprimentando todos. Pularam a minha mesa. Filhos da puta! Não votei no falseta do Genúino.
 
23 janeiro 2003
posted by Paulo Vivan at 4:12 PM

NOTÍCIAS DE UM MUNDO SEXUALMENTE ATIVO

- GAROTO INTERROMPE MASTURBAÇÃO PARA SALVAR A FAMÍLIA DAS CHAMAS
Curitiba, PR - Uma tragédia por pouco não aconteceu nesta terça-feira, quando o curitibano Jonas Brito (14), suspendeu sua ininterrupta estimulação auto-erótica tempo bastante para arrastar sua família já inconsciente pra longe do fogo que consumia a sua residência. "Aparentemente, os pais de Jonas, seu irmão e suas duas irmãs perderam a consciência por causa da fumaça e dos gases resultantes do incêndio," disse o sargento José Rodrigues do corpo de bombeiros. "Eles com certeza teriam morrido se este rapaz extraordinário não tivesse heroicamente se afastado da masturbação tempo o suficiente para arrastar sua família até a segurança." Com a chegada do corpo de bombeiros, Jonas Brito só pediu um cobertor.


- DISTRIBUIÇÃO DE CAMISINHAS GRÁTIS LEVA JOVENS À DEPRESSÃO
Belo Horizonte, MG - Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) descobriram recentemente que uma das maiores causas da depressão em adolescentes e jovens é a camisinha. Mais especificamente a camisinha gratuita distribuída pelo governo e instituições. Psicólogos da UFMG chegaram a conclusão que a camisinha gratuita lembra cerca de 50% desses jovens que eles levam uma vida sem sexo. Segundo o jovem P.V.N. (23): "A moça me entregou a camisinha... e eu nem queria pegar. Eu nem ia usar mesmo... Aliás, faz tempo... Preferia ter ganhado um chocolate." Os pesquisadores também notaram que dependendo das frases impressas nas embalagens das diferentes marcas de preservativos, o grau de depressão é maior. "As frases 'lubrificada; extra-lubrificada, texturizada para o seu prazer' são as piores" disse o pesquisador.

- FAMÍLIA MÓRMON TENTA IGNORAR CACHORRO EXCITADO
Campinas, SP - Um cão labrador é uma fonte de dor de cabeça para José Dias Almeida (43), mórmon e chefe de família. "Temos esse animal há 3 anos, e não há nada de errado com ele". Mas, segundo os vizinhos, o cão passa os dias engatando na perna de qualquer um dos cinco integrantes da família Almeida, mas eles parecem ignorar totalmente o fato. "Vemos o cão se lambendo quando está sozinho e vou te dizer uma coisa: esse cão está bem excitado!" diz um dos vizinho que preferiu não se identificar. O pastor mórmon local não quis comentar sobre o caso específico da família mas revelou sua opinião: "Cães não ficam excitados", contrariando assim o nosso especialista veterinário Luiz Russo.
 
21 janeiro 2003
posted by Paulo Vivan at 3:52 PM

Na lousa, lê-se: tema da redação: "MINHAS FÉRIAS"

Rubinho, começa a sua redação.

Minhas férias foram do caralho!! Eu e meus amigos tocamos o puteiro todo dia na rua. Eu decidi que o meu melhor amigo é o filho da puta do Serginho. Eu e ele só zoamos. Todo dia que a porra da bruxa da vizinha chegava perto eu

E a professora, que passava entre as carteira, resolve ver como Rubinho está se saindo.
- Rubinho! O que é isso?
- Ué!? Minha férias, professora.
- Nada disso! Pode começar de novo, e desta vez, sem palavrão!

Minhas férias foram muito legais! Falei palavrão pra caramba com os meus amigos, mas minha professora não me deixa repetir eles aqui. Mas, não tem problema. Quando eu e meu melhor amigo Serginho íamos pra rua a gente zoava muito. Todo dia que a bruxa (bruxa não é palavrão) da vizinha chegava perto, jogávamos pedrinhas nela! Nossa, era muito engraçado!! Daí, pegamos o gato dela e enterramos no quintal, deu o maior trabalho. Ele não parava quieto! Mas no final, deu certo... Isso tudo fora

- Rubinho!!! Você matou um gato? Não diga que você matou um gato! Eu não quero ver isso na sua redação!!!
- Tá bom, professora, tá bom!

Minhas férias foram muito legais! Falei palavrão pra caramba com os meus amigos, mas minha professora não me deixa repetir eles aqui. Ela também não deixa eu matar gato. Mas, eu não matei gato nenhum. Ele estava bem vivo quanto eu enterrei, então, acho que não vai ter problema contar isso aqui. Quando eu e meu melhor amigo Serginho íamos pra rua a gente zoava muito, embora pra quem leia essa redação, parece que foi chato. Também NÃO fiz várias coisas que acho que a professora também não vai gostar. Não quebrei nenhuma janela, nem roubei nenhum brinquedo. Se você ler minha redação, vai achar que minhas férias foram uma droga. Mas é assim que funciona a censura. Tira tudo que a gente acha legal.
 
16 janeiro 2003
posted by Paulo Vivan at 12:31 AM

UM GERÚNDIO, POR FAVOR

É só comigo? Será que só eu me irrito? Não pode ser. "Vou estar transferindo sua ligação e outra pessoa vai estar atendendo e vai estar solucionando o seu problema."
Por favor!!! Não resolva. Eu me viro. Prometo, que se eu ouvir mais uma frase destas, só mais uma... não vou fazer nada. Ah, pra que ficar puto com uma merda dessas.

O gerúndio, na minha opinião, é a forma verbal que melhor expressa incompetência. Você realmente confia num médico que diz: "Vou estar removendo o cancêr do seu corpo"? Não, obrigado, deixa que eu mesmo faço. Ou então: "Vou estar matando a sua mãe se você não fizer isso!". Ah-hã, tá bom... O que mais?
Isso não quer dizer que você não deve nunca usar o gerúndio, mas use-o com sabedoria. Imagine que você está passando uma semana na praia, com mais doze pessoas e só um rolo de papel higiênico. O papel higiênico é o gerúndio. Utilize com sabedoria.

Também conhecido como forma nominal do verbo, o gerúndio exerce também a função de nome. Esta forma nominal pode e deve ser usada para expressar uma ação em curso ou uma ação simultânea a outra, ou para exprimir a idéia de progressão indefinida. Por exemplo:
- Andei BUSCANDO uma alternativa melhor para cortar fora o seu braço, não sei se vou SERRANDO ou se vou MORDENDO.
Entendeu?

Outro exemplo de um possível uso correto do gerúndio:
- Se me ligar amanhã, entre 10:15 e 10:30, não poderei antendê-lo, pois estarei CAGANDO. Lembra daquele miojo que andei COMENDO?